Dr Rodrigo Cesar Barbosa
CRMV SP 23010

Dr Mario Silva Barbosa
CRMV SP 1564

Joey

Carrapatos

Entraremos numa época do ano, com clima quente e úmido, que favorecerá o desenvolvimento dos carrapatos, e com isso também aumenta o número de animais doentes devido ao contato com este parasita.

O carrapato do cão (Rhipicephalus sanguineus) pode transmitir algumas doenças como a babesiose e a erliquiose caninas, mas outras espécies de carrapatos também podem transmitir estas e outras doenças.

A Babesiose Canina é uma doença do sangue causada por um protozoário que parasita os glóbulos vermelhos e os destrói, multiplicando-se, resultando em anemia progressiva. A doença pode ser ainda acompanhada de perturbações da coagulação, insuficiência renal aguda e perturbações nervosas. Os sinais clínicos dos animais com babesiose são diversos, mas a maioria dos cães apresenta apatia, anemia, febre, anorexia, perda de peso e mucosas pálidas. Ainda podem ocorrer hemorragias e não podemos descartar a possibilidade de o animal possuir ao mesmo tempo uma infecção por Ehrlichia canis. Cães de qualquer raça, sexo ou idade podem ser acometidos pela babesiose e, dependendo da gravidade da doença, poderá levar à morte do animal.

Já a Erliquiose Canina é uma doença infecciosa severa que acomete os cães e sua incidência vem aumentando significativamente nos últimos anos, em todas as regiões do Brasil. Os sinais clínicos observados geralmente são a febre, a perda de apetite e de peso e fraqueza muscular. Menos frequentemente observam-se secreção nasal, perda total do apetite, depressão, sangramentos pela pele e nariz. Caso o sistema imune do animal não seja capaz de eliminar a bactéria, o animal poderá desenvolver a fase crônica da doença. Nesta fase, a doença assume as características de uma doença auto-imune, com o comprometimento do sistema imunológico.

A realização de um hemograma completo e pesquisa de hemoparasita em esfregaço sanguíneo de borda de orelha podem identificar o parasita no caso das duas doenças.

Como o principal transmissor destas doenças é o carrapato, evitar sua infestação é a melhor forma de prevenção. Carrapaticidas comerciais ajudam muito na prevenção da doença, mas é válido lembrar que estes produtos devem ser utilizados sob recomendação do médico veterinário. Não podemos esquecer de controlar os carrapatos no ambiente em que o animal habita, principalmente gramas e terrenos, que são lugares propícios para sua proliferação.

O controle dos carrapatos é extremamente importante, pois um animal pode ser reinfectado, caso seja novamente picado por um carrapato contaminado, e assim desenvolver a babesiose ou a erliquiose caninas novamente.

Qualquer alteração observada no animal serve como aviso para os proprietários de que algo de errado está ocorrendo e ele deve procurar um médico veterinário.

Muito obrigado e ate a próxima.

Rodrigo Cesar Barbosa

CRMV 23010-SP